29 de julho de 2010

MC Jean Paul

É com muita satisfação que registro no meu blog uma postagem sobre o cantor MC Jean Paul.Desde que ele se tornou a sensação do momento, graças ao funk, não existe jovem que não sonhe em ser como ele. Ele aproveitou toda essa fama para construir uma imagem positiva entre seus admiradores que são de todas as idades. O cantor iluminou com sua presença o projeto da Secretaria de Estado da Cultura “Verão Sócio Cultural “ que levou milhares de pessoas ao litoral gaúcho.
O projeto Verão Sócio-Cultural também fez história, pois teve diversas programações populares no litoral do Rio Grande do Sul. As pessoas tiveram oportunidade de escutar os sons mais carentes, como o sertanejo, o pagode, o funk e a música gaúcha. O projeto foi palco de entretenimento e cultura oferecendo espaço para os movimentos populares.Pelo fato do funk ser uma cultura de periferia, foi muito mais difícil de ingressar e atingir milhares de pessoas, pois o preconceito era muito grande, mas conseguimos mostrar o outro lado dessa modalidade musical. Através desses projetos ele conseguiu apresentar esse ritmo para os gaúchos, que já vem acontecendo há muito tempo. Um dado muito curioso é que Porto Alegre é a segunda Capital do Funk, perdendo somente para o Rio de Janeiro que é o berço do movimento funk.
Além disso, Jean Paul  tem capitalizado o fascínio que as platéias sentem por ele para uma boa Causa, conscientizar os jovens que a droga faz mal, aconselhando a gurizada a não usá-la.Embora pudesse simplesmente cantar nos seus shows, Jean Paul continua na luta por uma juventude sem vícios. Educado, simples e afetivo, o cantor convidou-me para almoçar com a sua família, na sua casa num bairro residencial de Porto Alegre. Conheci a mãe e a esposa, uma dupla de mulheres batalhadoras e dedicadas a cuidar da vida do Rei do Funk. Foram horas de conversa agradável e relembramos quando pela primeira vez a música funk esteve no palco  do Theatro São Pedro, algo inédito na história desta casa cultural. Foi uma noite que nunca mais esquecerei, pois vi no olhar dos adolescentes das vilas de Porto Alegre, surpresa e alegria pela oportunidade de conhecer o teatro através do seu ídolo.Segundo ele, o movimento funk, depois do evento do São Pedro, mudou bastante. As pessoas mudaram o conceito e viram que o funk não é apologia às drogas, ao sexo e ao crime. Depois o Jean Paul embarcou para o Japão e levou na mala a bandeira do Rio Grande do Sul.Quando adentrou  no palco, estava abraçado nela e o mundo inteiro conheceu nosso símbolo.
Acompanhada pela esposa e a mãe de Jean Paul, eu conheci o tesouro da casa que é um local onde ele guarda todos os presentes que recebe das suas fãs, achei bonito esse carinho que tem pelas pessoas que o adoram.Também conheci os cachorros que são os mimos da família toda: Hortelã e Girassol.Voltei contente por ter, no meu tempo de Secretária de Estado da Cultura, incentivado um talento gaúcho do bem.
Com o cantor, Milena sua esposa e sua mãe
Conhecendo o CD e calendário
Milhares de lembranças dos fãs

28 de julho de 2010

Parabéns, agricultores gaúchos!

Hoje, 28 de julho, é Dia do Agricultor. Quero, através do blog, homenagear a todos os agricultores neste dia e escrever aos meus leitores sobre o quanto admiro esta categoria que, em qualquer lugar do mundo, mas especialmente para o nosso Rio Grande do Sul, representa muito.

Me preocupo e acompanho de perto a realidade do campo e dos agricultores, suas necessidades e seus problemas em função do clima que influencia diretamente o gado e o plantio, da luta diária desses empreendedores, pequenos ou grandes produtores, que formam empresas familiares, que empregam pessoas e colocam os alimentos nas prateleiras dos supermercados. Sei da importância que é preservarmos e valorizarmos o que é natural da terra, o que é genuíno do povo e o que sai das mãos e da força desse pessoal. Desde a minha campanha para o Senado, em 2006 e depois em três anos como Secretária da Cultura, pude viajar e conhecer mais o interior do estado e a vida de quem trabalha na terra por necessidade, por tradição e por vocação de gaúcho, e constato, sempre, o quanto é importante eles estarem bem amparados, valorizados e estáveis em suas atividades, garantindo assim a manutenção da economia, e, mais garantindo sua dignidade, evitando a procura de empregos nas grandes cidades e o abandono das propriedade e das tradições familiares. Porém, isso só acontece se forem oferecidas condições favoráveis para todos os aspectos ligados ao meio rural, considerando sempre as peculiaridades ligadas ao mercado e ao clima.

Levando sempre comigo um sentimento interessado e verdadeiro por tudo que diz respeito ao campo, deixo aqui o meu abraço e força aos agricultores gaúchos! O trabalho de vocês é indispensável.

27 de julho de 2010

Parabéns Yeda!

Estive ontem no aniversário da Governadora Yeda Crusius. Faço aqui um relato do evento, que foi cheio de surpresas lindas, e vou contar alguns lances dos bastidores, que foram muito interessantes. A comemoração foi no Clube Farrapos e havia aproximadamente duas mil pessoas, que recepcionaram a Governadora com aplausos e manifestações afetuosas.

Quando ela chegou no palco, logo convidou a Ana Amélia Lemos e o Berfran Rosado para lhe fazerem companhia. No fundo do palco já estavam o ex-marido de Yeda, Carlos Crusius e a filha,Tarsila. Nesse momento, foi mostrada a grande surpresa da noite: um video que foi gravado com o filho e as netas que moram em Salt Lake City, nos Estados Unidos. A Governadora ficou muito emocionada. Ali estava uma pessoa que, antes de ser política, Governadora do Rio Grande do Sul e candidata a reeleição, é uma mulher, é mãe e avó. Após, cantou-se o parabéns tradicional e também o gaúcho, que não podia mesmo faltar. Logo em seguida, entrou a neta do Celso Bernardi com uma bandeira do Rio Grande do Sul. A bandeira foi entregue a Governadora Yeda simbolizando um presente dos gaúchos a ela, e foi acompanhada pelo nosso hino, que teve um cenário de absoluto respeito como deve ser sempre, de silêncio e postura respeitosa ao nosso estado. Depois, todos os participantes do jantar cantaram o jingle da campanha assistindo um filme montado com fotos que mostravam vários momentos vividos pela Governadora durante seu governo. O jantar foi servido à francesa, o que possibilitou conforto a todos os convidados, que aproveitaram para colocar as conversas em dia. Muita gente veio do interior para a ocasião e isso foi maravilhoso porque pude encontrar amigos queridos e matar um pouco da saudade que a distância impõe.

Agora um detalhe de bastidores: eu, que tinha a minha tarde livre por conta de um compromisso que havia sido adiado, acabei resolvendo coisas minhas de ordem pessoal que levaram mais tempo do que eu esperava, então cheguei um pouco atrasada na festa, mas pude assistir boa parte do evento, e, assim que cheguei, fui de imediato cumprimentar a Yeda, que, com aquele seu jeito franco, que é sua marca registrada, olhou para mim e falou: "Você viu o filme"? Eu respondi que não todo e ela disse: "Então sente aí no palco e assista, porque você é quem mais aparece nele”. Devo ter deixado meu ar de surpresa transparecer, porque ela arrematou dizendo: "Mônica, você aparece cinco vezes no meu filme de aniversário e isso será lembrado sempre". Dei um beijo nela, um abraço apertado e assisti todo o filme, relembrando vários momentos em que estivemos juntas no governo. Achei muito lindo e fiquei emocionada com o que vi. Essa é a nossa governadora!

25 de julho de 2010

Uma Causa Universal

Sou conselheira política do Instituto da Mama do Rio Grande do Sul e acompanho o maravilhoso trabalho da Presidente Maira Caleffi e da Superintendente Rosa Rutta na causa maior do Instituto da Mama, que é a prevenção, o cuidado e a situação do câncer de mama no estado. Um grupo de mulheres que venceram o câncer, lançou a “Caminhada das Vitoriosas”. Esse evento tem como objetivo chamar atenção e fazer com que todos voltem os olhos para as mulheres do Rio Grande do Sul e para o problema da alta incidência de câncer de mama. 


Hoje aconteceu a sétima “Caminhada das Vitoriosas” e eu estava lá, mais uma vez, apoiando as mulheres que venceram ou estão vencendo a batalha contra o câncer. Cada vez que participo, saio de alma lavada, pois são manifestações significativas promovidas pelo Instituto da Mama que dão maior visibilidade e valor a essa luta. Acredito que fazem com que mais mulheres passem a reservar em seu pensamento um cantinho para pensar em si mesmas e em sua saúde. Precisamos das mulheres vivas, pois sua força produtiva e seu papel na família e na sociedade é o que move o mundo. 


Sabemos que quando se perde uma mulher, é uma família que fica sem seu arreio, sem seu prumo. Essa é uma causa universal, que possui absoluto consenso no próprio meio feminino e em toda a sociedade. A bandeira do Instituto da MAMA do Rio Grande do Sul está acima de todas as espécies de disputas e debates pontuais.





Compartilho o e-mail que recebi da Superintendente do Instituto da Mama do RS:


CONSEGUIMOS !!!!!!!

Muito, muito, “MUITOS” obrigada !!!!

Nossa vontade, nossa determinação, nossa sinergia, nosso trabalho, ...
Enfim, nosso amor à causa, permitiu que fizéssemos hoje, uma das nossas principais mobilizações.

Agradecemos teu apoio, tua presença, e acima de tudo, por colocar o teu coração a bater
No peito de quem clama por atenção.

MUITO OBRIGADA!

Rosa Rutta
Superintendente
IMAMA - Instituto da Mama do RS

A chuva parou e o sol iluminou a Caminhada das Vitoriosas
Emoção e carinho com uma vitoriosa que venceu a luta contra o câncer



24 de julho de 2010

Bonito de ver e sentir...

Estive no evento das mulheres da coligação “Confirma Rio Grande”. Confesso que fiquei impressionada com a quantidade de caravanas vindas de todos os cantos do Rio Grande do Sul.E olha que foi uma manhã que chovia aos cântaros e  mesmo assim, mais de quinhentas mulheres lotaram o ginásio de esportes do Colégio Pão dos Pobres.Elas pularam, cantaram e sacudiram bandeiras, num entusiasmo que esquentou aquela manhã fria de inverno. Arrisco dizer que foi a maior declaração política feminina que já assisti. E claro que isso oportunizou reflexões interessantes. Elas querem ter as mesmas oportunidades  que os homens têm de defender suas posições, de discutir os direitos do povo, ocupando tribunas, candidatando-se para cargos eletivos onde poderão trabalhar pela educação, saúde, segurança e economia. Eu que fui eleita vereadora em 2004, passei a fazer parte do grupo de mulheres que conseguiu passar para o outro lado do cenário político, em que todos sabem, é um território de domínio masculino;  sempre fui uma  incentivadora  de maior  participação feminina na vida pública. Sei que a luta por um espaço político dentro dos partidos não é uma coisa fácil, desse assunto eu entendo bem e compreendo o acanhamento das mulheres. No entanto, sonho com a virada, porque sei o quanto elas são dedicadas, comprometidas e obstinadas. Tenho esperança de que nossas Câmaras Municipais, Assembléias Legislativas e Câmara Federal, sejam ocupadas cada vez mais por mulheres.É a contribuição que todas nós podemos dar, contribuindo com trabalhos que sejam a extensão das nossas atitudes como cidadãs de bem.


23 de julho de 2010

A torcida é o meu ponto de partida

Tenho recebido muitas manifestações de amigos e ex-funcionários que me acompanham e torcem pelo meu sucesso nesta minha nova caminhada política. São pessoas que estão sempre me motivando, não me deixando desistir. Destaco aqui no blog, hoje, uma mensagem da Lise Ferreira,  querida amiga e fiel escudeira que, como eu, tem a gratidão como marca registrada.

QUANDO DEUS QUER, NÃO TEM JEITO! 

Uma senhora muito pobre telefonou para um programa cristão de rádio
pedindo ajuda.
Um bruxo do mal que ouvia o programa resolveu pregar-lhe uma peça.
Conseguiu seu endereço, chamou seus secretários e ordenou que fizessem
uma compra e levassem para a mulher, com a seguinte orientação:
Quando ela perguntar quem mandou, respondam que foi o DIABO!
Ao chegarem na casa, a mulher os recebeu com alegria e foi logo
guardando alimentos.
Os secretários do bruxo, conforme a orientação recebida, lhe perguntaram:
- A senhora não quer saber quem lhe enviou estas coisas?
A mulher, na simplicidade da fé, respondeu:
- Não, meu filho.. Não é preciso. Quando Deus manda, até o diabo obedece!

'Não se preocupe de que maneira virá sua vitória, mas quando Deus determina, ela vem....Ah Vem mesmo!


21 de julho de 2010

Tempos das Cavernas

Estamos todos atrás das grades! Com alarmes, cercas elétricas, cães de guardas e carros blindados. Acuados e cansados com o avanço da criminalidade, assistimos a uma guerrilha urbana, onde somente um lado avança: o dos criminosos!

O que pensar quando um policial civil aposentado, é assassinado ao salvar uma família? O que esperar quando uma quadrilha rouba armas do Fórum de Caxias do Sul?  E o que dizer da médica que foi baleada, enquanto atendia uma paciente no posto de saúde?

Ora, ora, senhor presidente do Brasil, vamos assistir a tudo isso de braços cruzados? É cada vez mais assustador o aumento de assaltos, assassinatos, narcotráfico, prostituição infantil e seqüestros. E não é preciso ser “expert” em política para saber que esses descalabros deveriam ser urgentemente combatidos com prioridade a uma política de segurança e de inteligência nacional.

Para frear esses males, é necessário investir também em prevenção e isso só vai acontecer com treinamento altamente qualificado e policiais bem pagos.

Precisamos de policiamento ostensivo, viaturas (com combustível) nas ruas, homens armados e devidamente preparados. Mas como é possível fazer isso, se o efetivo é sempre aquém do desejado? É importante que as pessoas saibam que, para fazer um brigadiano, é necessário um ano de preparo. E, habitualmente, depois que esses profissionais estão prontos, são contratados por empresas de segurança particulares que pagam bem mais. É assim que o Brasil trata a Segurança Nacional!

A impressão que tenho é que voltamos aos tempos das cavernas, onde tudo parece ficar por conta da mãe natureza...Enquanto isso, permanecemos enjaulados em nossos “fortins”, claro que bem sofisticados, mas sem contar com o mínimo da segurança e da paz que os nossos ancestrais desfrutavam.  E a nós, cidadãos modernos, que vivemos esses tempos de guerra, resta-nos apenas rezar que Deus seja brasileiro e não nos abandone!  

20 de julho de 2010

Comentário da Rose Ribeiro

Uma mensagem maravilhosa para ler no dia de hoje...realmente o verdadeiro valor da amizade não está no retorno ou no reconhecimento de uma ação, mas sim no prazer que sentimos em ser generosos com um amigo. Parabéns neste dia e obrigada por fazer parte da minha vida, que com certeza hoje tem um brilho especial com a sua amizade! 
Bjs Rose 

O Valor da Amizade

Invista na amizade. Este é, com certeza, o mais forte dos sentimentos: tem uma grande capacidade de tornar as pessoas mais felizes e melhorar nossa qualidade de vida. Não perca jamais a vontade de fazer amigos, mesmo que o tempo seja curto para cultivá-los, e no dia-a-dia pouco consigamos desfrutar deste convívio.Isso não é o mais importante, até porque, algumas amizades precisam apenas de um pouco de atenção para florescerem. E quando você mais precisar, saberá que aquele amigo estará ao seu lado com um sorriso franco, um ombro solidário e um olhar acolhedor, para repartir com você as alegrias e as tristezas.

Ou, quando você menos esperar, encontrará o amigo que não via a tempo - e esse detalhe acaba ficando insignificante - e diante daquela velha amizade vai acontecer o “papo” solto e íntimo como se os anos não tivessem passado. Essa amizade simples, pura, despretensiosa, que começa de forma involuntária, é que propicia nosso crescimento interior e é construída basicamente pela essência do relacionamento que temos ao longo de nossas vidas e do qual não devemos jamais abrir mão.

Será esse mesmo sentimento que despertará em cada um de nós a vontade de auxiliar um amigo, mesmo sabendo que nem sempre ele reconhecerá ou retribuirá este gesto. Aprendi que o verdadeiro valor da amizade não está no retorno ou no reconhecimento de uma ação, mas sim no prazer que sentimos em ser generosos com um amigo.E que são as pequenas oportunidades que a vida nos apresenta – e não devemos de forma alguma desperdiçá-la -, que nos gratifica, pois o ganho é todo nosso, porque esse é, sem dúvida alguma, o jeito mais fácil de crescermos como ser humano.

Feliz Dia do Amigo! Escrevi esse texto pensando nos meus amigos.

Venceu a Voz do Povo de Glorinha



Estive na cidade de Glorinha para apoiar a coligação: “Aliança Democrática PMDB e PP”. O evento aconteceu no Salão Paroquial da Igreja da Matriz e começou na hora marcada, coisa que eu, como filha de bom soldado, aprecio demais. O povo lotou o local. Fiquei impressionada com a quantidade de pessoas vindas de todos os cantos do Rio Grande para apoiar os candidatos. Relembrando o caso de Glorinha, Neco, o antigo prefeito foi cassado e a população de Glorinha se diz injustiçada, e isso transformou-se numa luta de garra e entusiasmo na cidade. Os candidatos a Prefeito e Vice, Renato Ribeiro e Leopoldo Feio, entraram no salão em meio a centenas de bandeiras, ao som do jingle com suas propostas e foram aplaudidíssimos pela multidão de apoiadores. Estiveram presentes muitas autoridades de vários partidos e todos discursaram. Nem que eu quisesse poderia dizer quantos foram os discursos porque perdi a conta, mas sei que foram um pouco demais no tamanho e no tempo. Se tem uma coisa que me incomoda são discursos longos, pois acho um desrespeito com as pessoas que escutam. Ora, quem demora muito para falar é porque não sabe o que vai dizer. Sempre ouvi meu pai dizer que é obrigação daquele que vai fazer um pronunciamento, preparar sua fala, nem que seja um pequeno roteiro para não se perder. É preciso ter início, meio e fim. Até o padre prepara o sermão da missa. Tirando essa parte, foi bonito ver a união dos diferentes partidos, somado a voz do povo na luta pela causa que eles consideram uma questão de honra. O povo de Glorinha lutou e venceu! 

18 de julho de 2010

Crescimento político das mulheres


O título de uma matéria do jornal O Sul desse domingo é: “Número de Deputadas Deve Crescer 30%”. Li todo o texto, que achei muito interessante, e me arrisco a dizer que as mulheres ficarão animadíssimas com esta perspectiva, o que é justo e merecido. Considerando que o Brasil caminha a passos largos para uma participação mais efetiva das mulheres no poder; que é visível a presença da mulher na economia, na administração, na comunicação, na saúde, educação e na magistratura, no entanto, na política, a representação feminina ainda é muito modesta e sei que é preciso reverter esse quadro. De que forma? Com a lei de cotas? Sim, isso ajudou, mas, sinceramente, não me encanta, pois não é um crescimento de representatividade espontâneo. Penso que o primeiro passo é as mulheres terem consciência que não podem ficar ausentes dos problemas que afligem a sociedade, pois é também responsabilidade delas acompanhar e participar das mudanças sociais, criando alternativas, discutindo temas relevantes para a nossa cidade, nosso Estado e nosso País. Elas não podem se acanhar! Ora, por onde tenho andado nessa minha caminhada política, eu vejo mulheres que são mestras na administração dos problemas sociais, na busca de soluções, no uso de toda a sua habilidade, coragem, inteligência e obstinação. Elas são donas de uma criatividade invejável para auxiliar no aumento da renda familiar, trabalhando, muitas vezes, além da conta, executando a dupla jornada de trabalho. A verdade é que as mulheres precisam sair da “casca”, encarando também os desafios políticos e contribuindo para conquistar de vez este espaço.

Proteção

Começa agora uma fase mais agitada na minha vida e estou procurando administrá-la com muito equilíbrio e bom humor. Um exemplo são os inúmeros compromissos, as viagens e, por isso, a boa organização da agenda, que é feita todas as sextas-feiras pelas fieis escudeiras da minha campanha: Lisi e Andréia. Confesso que nos últimos dias, fiquei com pena dessa dupla dedicada que se desdobra de todas as maneiras para atender a tarefa, ainda mais elas lidando com uma pessoa que é do batente, que coloca a mão na massa, que não é candidata de gabinete e por isso o nosso dia-a-dia é tão cheio e movimentado. Pois bem, desde ontem pela manhã, estou envolvida com o meu comitê político. De calça jeans, blusão, cabelos presos por um passador no alto da cabeça, botas e luvas de borracha, eu, junto com um grupo de mulheres trajadas da mesma maneira e ao lado de homens colaboradores voluntários, assumimos a missão de deixar em condições de uso esse local que esteve abandonado por vários anos. O trabalho tem sido árduo, mas muito, muito proveitoso, porque são momentos em que compartilhamos o riso e as lágrimas. Vou contar para vocês um pouco do que aconteceu nesse sábado. Havia uma madeira no alto da sacada que estava feio e tirava a visibilidade da frente da casa, então as mulheres decidiram que ele deveria ser retirado. Fizeram um mutirão e puxaram, caindo estateladas no chão, felizes agarradas ao tronco de maneira. Depois, foi a vez de retirar um carpete velho que estava grudado no piso. Fizemos um verdadeiro cordão humano para conseguir arrancá-lo, outro tombo bem tomado e ainda completamente afogadas na poeira que levantou. Isso me fez pensar que a natureza é mesmo algo incrível, pois nós do sexo feminino não temos a força física, mas, ainda bem que, em contrapartida, somos uma fortaleza por dentro. Pausa para o almoço e todos sentados no chão da casa, cachorro quente e coca-cola. Foi uma festa só. Passamos a tarde no limpa e tira entulhos. Aos homens coube pregar madeiras, colocar tijolos, arrumar fechaduras e trincos. Eram 17h quando decidimos parar a empreitada, porque ainda não ligaram a luz e ficaria impossível continuar. Nesse momento o Rodrigo e eu reunimos os amigos e fizemos um agradecimento. Foi de emocionar, pois lembramos do estado em que encontramos aquele local e vimos, juntos, como estava ficando, sabendo que aquilo só estava acontecendo pela ajuda de todos os colaboradores voluntários. Por sugestão da Andréia, rezamos de mãos dadas um Pai Nosso e o interessante é que após a reza, a Andréia fez uma prece pedindo a Deus que me desse saúde, me protegesse de todos males e perigos do trânsito nessa minha nova caminhada política. Quando ela falou isso eu logo pensei que era por causa das estradas por onde tenho andado e ainda andarei em campanha. Dei um beijo em todos e fui para o carro. Subi a Protásio Alves para entrar na primeira rua à direita após a Lucas de Oliveira. Fiz a curva e senti meu carro derrapando. Foi numa fração de segundos que escutei um enorme barulho, olhei pelo vidro retrovisor, vi o carro de trás em cima de uma árvore e me dei conta que, para não bater em mim, ele subiu na árvore. Senti um frio no corpo todo, fiquei com medo que a pessoa tivesse se machucado. Estacionei logo na frente e enquanto abria a porta já liguei para o Armando e o Rodrigo avisando do ocorrido. Sai caminhando em direção a batida, que não sei como não foi maior perto do estrondo que deu e o cidadão ao me ver  falou: "Eu te conheço da televisão! É muita sorte minha uma batida dessas!”  Eu, tonta de susto, olhei para ele e fiquei feliz da vida que estava sem um arranhão. Logo chegaram o Armando, Andréia e Rodrigo. Soubemos que tinha óleo na pista, parece que vazado de um ônibus. Dei o meu cartão para ele, para que fosse na oficina fazer um orçamento, afinal havia quebrado a sinaleira e dado uma pequena amassadinha na lateral. Acabamos conversamos sobre política e ele disse que agora tinha uma candidata - e eu tive que rir do alto astral do rapaz, além de agradecer a Deus que nada de sério lhe aconteceu. Na despedida, ele falou: "eu tive que escolher entre bater no teu carro e na árvore, preferi a segunda opção". Eu agradeci e o Armando falou: "foi a oração que te protegeu”! 
Agora estou em casa e já estava planejada para escrever e postar sobre os últimos eventos e locais que visitei na semana, mas primeiramente, quis compartilhar com vocês este susto que levei e que me fez pensar o quanto podemos ser surpreendidos pela vida.


16 de julho de 2010

A voz do agronegócio gaúcho na rádio Bandeirantes

Quero compartilhar com meus leitores a alegria que sinto por saber que a jornalista Lizemara Prates agora estará na Rede Bandeirantes,contribuindo ao longo da programação diária e também no excelente Jornal Gente. Eu já sou fiel ouvinte do programa, que tem no comando meu amigo de longa data, jornalista que admiro, Osíris Marins, e conta com o Fernando Albrecht, jornalista político dos mais conceituados do Rio Grande do Sul, com o comentarista de economia Afonso Ritter e com a participação do também jornalista político Adão Oliveira e do repórter Gustavo Mota. Esse é, sem duvida nenhuma, o melhor programa de rádio que temos, pois é dinâmico, inteligente e com completa isenção, mas estava mesmo faltando uma voz sobre o agronegócio, afinal, os cidadãos urbanos desconhecem a realidade do campo e não imaginam as dificuldades que enfrentam agricultores e pecuaristas até que cheguem seus alimentos e produtos às prateleiras dos super mercados. Fico muito feliz com essa noticia e quero, como jornalista, comemorar. Parabéns à Rede Bandeirantes e obrigada ao diretor de rádio Renato Martins e ao diretor geral Leonardo Meneghetti, que, mais uma vez mostraram que entendem muito de comunicação. Leiam abaixo o e-mail que recebi da Lizemara Prates.
 
 
Alô querida Mônica.
Quero te contar que estou estreando na Band AM e News na segunda, dia 19/07, na área do agronegócio.
Obrigada pela atenção.
Abraços.
Lizemara Prates

15 de julho de 2010

Presente da Sorte

Recebi, por e-mail, uma foto que registra o mimo que eu e a Ana Amélia ganhamos no evento do PP que aconteceu tempos atrás em Alegrete. Fomos presenteadas com o amuleto da sorte: um quadro com pimentas de tecido. Eu recebi da minha querida amiga Kiki e a Ana recebeu da Miriam que é do Movimento das Mulheres Progressistas. Não somos supersticiosas, mas adoramos receber as pimentas que reza a lenda, são para afastar o mau olhado.Fui pesquisar sobre isso e encontrei informações muito interessantes.Em alguns países asiáticos,principalmente na Índia, comer pimenta ou espalhá-las pela casa afasta coisas ruins e maus agouros, sendo assim símbolo de boa sorte. Então,que a sorte esteja do nosso lado nessa caminhada política. Um detalhe curioso que aconteceu nesse evento, foi que nós duas sem combinar, usamos lenços de zebra e tigre.
Eu e Ana Amélia com os nossos presentes

12 de julho de 2010

Revolta e tristeza

Eu tinha me prometido não ler, não assistir e não falar nada sobre o crime cometido contra a Eliza, ex-caso do goleiro Bruno e, conforme a imprensa tem noticiado, mandante da execução monstruosa dessa moça. Vocês podem estar se perguntando se minha atitude não seria uma maneira de eu me poupar do envolvimento com assuntos dessa natureza, sim, podem achar isso e eu compreendo. Visto que sou uma pessoa sempre muito posicionada, nada mais natural que o meu silêncio desperte curiosidade e até mesmo surpresa. Mas a verdade é que um misto de revolta, tristeza e desesperança tomou conta do meu coração e não sinto a menor vontade de debater e opinar sobre esse fato macabro.Talvez porque eu seja incapaz de fazer mal a um ser vivo, até mesmo a um rato, que é o mamífero que mais tenho horror, então o que dirá a um ser humano. Na minha família sou conhecida pela disposição de buscar o que há de melhor nas pessoas e tem até uma máxima do meu marido que diz: "Se a Mônica fala que alguém é ruim, é porque é mesmo, porque ela sempre vê o lado bom da pessoa, mesmo quando esta declaradamente deixa a desejar”.
Confesso a vocês que, se fiz alguma inimizade nesse meu tempo de existência sobre a terra, nunca senti vontade de me vingar, pois entendo que essas atitudes são patológicas. Também não guardo rancor na alma e muito menos fomento amarguras. Por essas razões, eu não consigo entender como um ser humano pode acabar com a vida de outro ser humano. É como eu sempre digo: quem mal não faz, mal não pensa.
Devido à repercussão do caso, comecei a receber muitos e-mails pedindo que eu me manifestasse em relação a isso e, por respeito aos meus leitores e fiéis seguidores da minha caminhada política, eu penso que devo essa satisfação. Para mim, a violência cometida pelo goleiro é inominável!

11 de julho de 2010

A Escolha Certa

Quando eu fui Secretária de Estado da Cultura, indiquei, por duas vezes, oito conselheiros para representar o Governo Yeda Crusius no Conselho Estadual de Cultura. A última foi uma escolha mais criteriosa, visto que na primeira, na minha opinião, algumas dessas pessoas deixaram a desejar. Foram colocadas pessoas boas e capazes e uma dessas chama-se Walter Galvani. A poucos dias eu acompanhei com alegria uma conquista vitoriosa do Galvani, quando foi eleito presidente do Conselho. Sabia que isso aconteceria, pois, se tem algo que aprendi a conhecer e identificar na minha vida política, é o caráter das pessoas e Galvani é um cidadão diferenciado, que trabalha com lealdade pelas causas que engrandecem e enaltecem o nosso Rio Grande. Fico muito feliz que o Conselho Estadual de Cultura tenha no comando, um homem íntegro como o Walter Galvani. Aproveito para contar a vocês que ontem eu recebi uma mensagem do novo Presidente, onde agradecia por ter sido indicado conselheiro e, agora, ter alcançado a presidência.Eu confesso que fiquei surpresa e emocionada com a atitude dele, pois a gratidão é um valor em extinção. Comentei com meu pai que, de pronto, saiu com esta: ” A gratidão do Galvani mostra que ele é um homem raro”

10 de julho de 2010

Recordando Minha Estréia no Futebol

Sempre tem uma primeira vez! Essa vale a pena contar porque eu nunca pensei que ia fazer parte de um programa sobre futebol. Mas, como eu sempre falo: não existe nada nessa vida que eu não aprenda. Pois então. Eu estava voltando do interior e recebi uma ligação da produção do programa do Pedro Ernesto Denardim.O Marquinhos,querido amigo, estava me convidando para participar do Show dos Esportes ao vivo. Será que entendi bem? Eu opinar sobre futebol? E a resposta foi curta e simpática: "Isso mesmo Mônica, o Pedro Ernesto quer a tua presença no programa dele”. Não preciso nem dizer que fiquei meio apavorada, porque não acompanho futebol a não ser na Copa do Mundo e nessa nem consegui assistir como gostaria devido ao meu ritmo de vida, que agora não pode parar, e eu utilizei esse tempo dos jogos para fazer alguma coisa na rua, já que o trânsito era calmo nesse horário. Mas, encarei o desafio e me enchi de coragem quando respondi: “Claro, eu vou sim”! Chegando lá, eu tinha que fazer uma pergunta para o apresentador. O Maurício Saraiva e os demais componentes dominavam o tema, falando da Copa do Mundo e toda a questão do Dunga. Como sou boa observadora e aprendo rápido tudo que me chega as mãos, eu lembrei da intensa participação das mulheres dos jogadores e lancei uma pergunta sobre como o Pedro via o comportamento delas nessa Copa do Mundo, lembrando a repórter Sara Carbonero, namorada do goleiro Casillas, que é repórter de uma TV espanhola e trabalhou atrás do gol durante uma partida, o que causou uma grande polêmica, acusada de tirar atenção e atrapalhar o desempenho do jogador. Eles ficaram muito surpresos e inclusive o Pedro relatou que tinha sido uma grande pergunta, mas que ele daria essa resposta como homem e me devolveu a pergunta dizendo que queria saber a opinião de uma mulher. Foi então que falei em respeitar a liberdade das manifestações, mas que aquele não era o local adequado para isso. Foi muito engraçado e divertido, porque eles fizeram da minha pergunta uma pauta do programa.

8 de julho de 2010

Honraria Justa e Merecida a Dois Bravos Gaúchos!

Em duas diferentes datas recentes, estive na Assembléia Legislativa para prestigiar dois queridos amigos que receberam a mais alta honraria do Estado do Rio Grande do Sul e homenagem máxima do Poder Legislativo Gaúcho, que é a Medalha do Mérito Farroupilha. São eles: Antônio Augusto Mayer dos Santos e Raul Randon.

A primeira solenidade foi em homenagem a Antônio Augusto Mayer dos Santos, advogado especialista em Direito Eleitoral.A iniciativa partiu do deputado Carlos Gomes (PRB), que destacou a trajetória do homenageado e o trabalho em defesa da democracia. O evento foi acompanhado por familiares, amigos, alunos, colegas, políticos e clientes do Antônio Augusto que estava visivelmente emocionado com a distinção que recebia do parlamento gaúcho. Penso que foi uma homenagem justa e merecida, pois é um profissional competente e dedicado que presta um serviço muito importante à sociedade. A solenidade foi conduzida pelo presidente em exercício da Assembléia Legislativa, deputado Marquinho Lang (DEM). Nessa tarde, eu tive a alegria de encontrar e conversar com muitos amigos que não via há algum tempo, entre eles o Desembargador aposentado Alfredo Englert e o advogado Ricardo Giuliani Neto.

Vou contar uma coisa que aconteceu e que mostra bem o perfil educado e afetivo do homenageado. A solenidade estava marcada para às13h30 e eu, por conta da dificuldade de estacionar o carro nas imediações da Assembléia, inclusive nos estacionamentos, cheguei às 13h40, sabendo que a cerimônia já devia ter iniciado. Eu, que faço tudo para chegar sempre na hora, quando coloquei os pés na ante sala da presidência, disse para o assessor que me conduzia pela entrada principal, que eu queria entrar por um lugar que não chamasse atenção, pois não seria correto atrapalhar os pronunciamentos. O assessor logo entendeu e gentilmente abriu uma das tantas portas da sala e, assim, pude me postar num local discreto, mas naquele exato momento o Antônio Augusto fazia sua fala e me pegou de surpresa dizendo: " Mônica Leal, que fez um belíssimo trabalho a frente da Secretaria de Cultura do nosso Estado, que, por estar em campanha tem uma agenda cheia, muito obrigada por ter vindo, sua presença engrandece a honraria que recebo hoje”. Da minha posição discreta ao da sala, fui convidada a ocupar um lugar ao lado do Presidente da Assembléia em Exercício.

Crédito das fotos: José Ernesto Carvalho
Com o advogado Ricardo Giuliani Neto, o homenageado, Dr.Antônio Augusto e o deputado Carlos Gomes
Com a família do homenageado e os deputados Carlos Gomes e Marquinho Lang
Com o deputado Cássia Carpes que foi meu colega vereador na Câmara de Vereadores de POA

Também fui prestigiar o empresário Raul Randon, que recebeu das mãos do Presidente da Assembléia, deputado Giovani Gerini, a medalha do Mérito Farroupilha. A solenidade contou com a presença de empresários da indústria, representantes sindicais e autoridades de Caxias do Sul, cidade de Randon, e de Porto Alegre. A homenagem foi por reconhecimento ao sucesso econômico-financeiro e aos projetos sociais e ações implementados pela sua empresa com programas voltados à empregabilidade e à qualidade de vida e na busca da sustentabilidade através de iniciativas nas áreas do meio ambiente e social, como o Programa Florescer, que nasceu de um ideal de Raul Randon, há nove anos, e hoje integra as iniciativas de responsabilidade social da empresa, dentro das ações do Instituto Elisabetha Randon, atendendo mais de mil jovens de seis a quatorze anos.

Conheci Raul Randon há uns anos atrás e de uma forma bem engraçada, pois conversei com ele mesmo antes de saber quem era, pois estávamos em um almoço e a conversa, sobre educação, política e cultura, girou entre o grande grupo, formado por políticos, amigos e convidados. Na despedida, um cidadão simpático, educado e inteligente que fazia parte do grupo, falou: "Muito prazer, Raul Randon.” Confesso que fiquei impressionada com seu jeitão simples e espontâneo, com sua preocupação com a área social e com a preservação dos recursos naturais para garantir o futuro das novas gerações. É muito importante para o Rio Grande do Sul ter um Raul Randon defendendo a educação como fator básico para a transformação da sociedade.
 
Crédito das fotos: Guerreiro
A Governadora Yeda, comentando a altura do Prefeito Fortunatti, com Raul Randon e eu
Governadora Yeda, Raul Randon e eu, escutando encantados o Presidente da Fiergs, Paulo Tigre, falando da viagem que fez a Escócia
Conversando com dois grandes empresários: Raul Randon e João Vontobel
 

7 de julho de 2010

Meu Destaque

Com carinho, registro no meu blog que estou muito feliz por saber das novas conquistas de uma santiaguense que muito admiro. É sempre bom ver as mulheres gaúchas abrindo espaços de atuação e conquistando importantes posições, e o melhor, apoiando outras mulheres.

Roselaine Santos Esmerio Chiavenato, advogada e membro do Instituto Brasileiro de Direito de Família-IBDFAM, agora faz parte também do IARGS- Instituto dos Advogados do Rio Grande do Sul. Foi indicada recentemente pela Presidente do IBDFAM do RS, Dra. Delma Silveira Ibias e, após análise de seus trabalhos e curriculum, foi imediatamente aceita pelo Conselho Superior. Parabéns, Roselaine!
Delma Silveira Ibias, Ana Amélia Lemos e Roselaine dos Santos Esmerio Chiavenato

6 de julho de 2010

Lugar de Honra no meu Blog

A postagem “A Guarda Morre, Mas Não se Rende!”, que foi movida pelo significado especial do aniversário dos 75 anos da 1ª Companhia de Guardas e pelo sentimento que tenho pela família chamada Exército, que marcou profundamente meu perfil pessoal e profissional, gerou comentário do Comandante Major Mainieri e quero compartilhar com vocês leitores do meu blog:

Prezada Mônica
Em nome dos Oficiais, Subtenentes e Sargentos da 1ª Companhia de Guardas, agradeço sua presença no evento de comemoração aos 75 anos de criação da OM e a respectiva referência em seu site. Agradecer o apoio prestado na confecção da Revista Histórica com seu devido depoimento pessoal e ficamos à disposição para qualquer eventual atividade em que esta tradicional Sub Unidade possa ser útil.
Atenciosamente,
Maj Mainieri - Comandante da 1ª Cia Gd

4 de julho de 2010

"A Guarda Morre, Mas Não se Rende!”

Esse é o“ lema da 1ª Companhia de Guardas, instituição militar que meu pai comandou de 1960 a 1962. Eram tempos difíceis da nossa política, tempos de muitas indefinições. Era o período em que o Brasil viveu em turbulência: o Presidente da Republica Jânio Quadros renunciava ao cargo, deixando o país nas mãos de seu vice-presidente, que não era aceito pela sociedade em geral por causa de seus ideais com tendência à esquerda.
Companhia de Guardas em forma

Companhia de Guardas na formatura

No Rio Grande do Sul, Brizola assumia a liderança de um movimento denominado por seus apoiadores de “Legalidade”, que desejava garantir a posse do novo presidente, João Goulart, seu cunhado. O quadro era de total incerteza. Meu pai, contudo, estava tranqüilo, pois muito se orgulhava de seus comandados e sabia que podia contar com o grupo de valentes soldados da 1a Cia. de Guardas. Tinha sob seu comando o melhor grupamento de soldados, capaz de conter qualquer situação de desordem que se apresentasse, isso porque, através de um Posto de Recrutamento (criado por ele próprio), fazia a seleção dos recrutas para integrarem os quadros da companhia. Eram momentos decisivos na vida tumultuada da história do Brasil e do Rio Grande, e a responsabilidade quanto ao rumo a ser tomado diante da situação vinha inteiramente de seu comando. Contou com o apoio da 1ª Cia. de Guardas, que, desde o inicio dos acontecimentos, mostrou-se avessa a tudo que era montado no Rio Grande do Sul, tendo soldados que expunham sua bravura em defesa da pátria, integrando-se às tropas que seguiam para o Rio de Janeiro, a fim de dominar a rebelião que crescia naquela cidade. Na época, eu era uma criança e não tinha noção dos acontecimentos que me rodeavam, mas tinha a percepção desses fatos. Como exemplo lembro de muitas vezes observar meu pai e, em seu semblante, ver a preocupação estampada. Ouvia-o comentar da necessidade de estar com maior freqüência e tempo na Cia de Guardas, coisa que, para mim, era difícil de entender, mas que eu sabia que significava a sua ausência. Hoje, entendo o quanto meu pai sacrificou a família para cumprir com seus deveres de militar e como lhe foi difícil abrir mão desse convívio. A 1ª Companhia de Guardas, contudo, era um prolongamento do seu círculo familiar e não poderia estar de fora da sua vida, por isso, ela também se integrou ao nosso dia-a-dia. Sei o quanto ela representou na vida militar do meu pai, que, com orgulho, ainda hoje fala desta subunidade a que se dedicou com esmero. Por tudo isso é que foi com um sentimento de muita admiração e confiança que neste final de semana, eu participei da solenidade de comemoração dos 75 anos da 1ª Companhia de Guardas, que é um exemplo de organização militar e orgulho da família verde-oliva brasileira e de sua história, que foi instituída pelo Presidente Getúlio Vargas na nossa Porto Alegre e daqui irradia seu exemplo de ordem, disciplina e comprometimento com a sociedade gaúcha e brasileira. A Companhia de Guardas compõe a sólida Instituição Nacional chamada Exército, que cultiva e ama as tradições, respeita a ética, pratica as virtudes militares e é guiada pelos preceitos morais; que nos ensina e nos emociona em torno de seus símbolos, heróis, feitos e vitórias. Toda Nação que cultiva esses símbolos, capazes de marcar profundamente a formação de seus filhos, desperta sentimentos que permanecem para sempre.

homenageados aguardando o diploma de "amigo da CG"

Desses sentimentos, falo com propriedade, pois como já escrevi no início desta postagem, cresci dentro dessa família chamada Exército e sei o quanto esse convívio foi fundamental para meu aprendizado pessoal e profissional, e que fiquei, desde lá, profundamente marcada e para sempre tocada por tudo que o Exército cultiva e semeia. E pelas comemorações dessa data tão significativa, vendo o exemplo e a trajetória da Primeira Companhia de Guardas, eu queria compartilhar esse sentimento com os leitores do meu blog.


General José Mattos de Marsilca Motta, ex-comandante da CG de 1950 a 1952, recebendo a homenagem

meu pai Cel. Pedro Américo Leal admirando a cerimônia

palanque das autoridades

tenente apresentando seu pelotão ao comandante após a apesentação da "ordem unida sem comando"

Companhia de Guardas com seus pelotões operacionais

3 de julho de 2010

Montenegro sempre acolhedora

Sexta feira: saí de Porto Alegre às três da tarde e peguei a estrada rumo a Montenegro. Havia muito movimento de carros e acho que foi por causa do jogo do Brasil X Holanda. Claro que fiquei sentida pela derrota, mas, como minha natureza é positiva, já antevejo a vitória do hexa em 2014 em solo brasileiro! Na chegada à cidade, fui direto para a Fundarte, onde me recepcionaram as amigas ligadas a cultura. Minha cicerone foi a Lia Selig, amiga de longa data do meu pai, Presidente de Honra do PP e muito ligada comigo. Desde o dia que entrei na vida política e passei a fazer parte do diretório do PP de uma forma mais atuante, a Lia esteve do meu lado. Lembro que nas vezes em que enfrentei duros embates e galguei caminhos com obstáculos para fazer valer a minha voz na mesma altura que a dos “caciques”, que se achavam donos do partido, a Lia, em muitas dessas horas, mesmo em Montenegro, parece que adivinhava o que estava acontecendo, pois, sem mais nem menos, me telefonava com a seguinte fala de abertura: "E aí minha filha política, liguei só para te dizer que estou contigo! Gosto muito dessa minha mãe política e ela sabe disso! 
Lá na Fundarte conversei com o pessoal colocando os assuntos sobre cultura, política e economia em dia. O tempo era curto, pois estava sendo esperada na Expomonte, que é uma feira de produtos da terra. Fiquei emocionada com a recepção que recebi. Encontrei pessoas que conheci na época da minha campanha ao Senado Federal, e isso me fez um bem danado, matando a saudade e relembrando aquela minha caminhada política que me fez conhecer o Rio Grande. No restaurante da feira, foi servido um gostoso café colonial.Foi uma festa esse encontro com a turma de Montenegro e confesso a vocês que fiquei louca de vontade de ficar mais tempo com eles.
Agora, não posso deixar de compartilhar que ganhei uma bela cesta de produtos da cidade acompanhada de um cartão assinado pelas minhas queridas amigas de Montenegro:

Querida Mônica! “Os amigos fieis são como o sol, não precisam aparecer todos os dias para sabermos que eles existem.” 
Com nossos votos de sucessos na nova caminhada! 
Abraços
Amigas de Montenegro 
02/07/2010 
Na Fundarte com Isabel Petry, Rosemari Almeida e Tia Lia 
Na Fundarte em reunião com Virginia Petry, Tia Lia, Rosemari Almeida e Isabel Petry
No fusca rosa da vereadora Rosemari que tem a cor como marca registrada
 No Parque da Feira EXPOMONTE eu fui recepcionada pelas minhas amigas de Montenegro 
 Com a rainha e princesas da EXPOMONTE
  Fazendo pose de candidata a miss 
 Com Tia Lia, o Presidente da Juventude Luis Carlos de Azeredo e a Vice da Juventude Progressista Ana Paula Machado
Com meu amigo Ricardo que foi um grande presidente do Partido Progressista em Montenegro
 Olhem só o maravilhoso café colonial que meus amigos de Montenegro prepararam 
 A saudade era grande demais para ficar sentada na mesa
 Meu trio de amigas queridas que carrego no coração de maneira especial 
Com o prefeito Percival de Oliveira que esteve no local para levar o seu abraço
Recebendo de presente uma cesta cheia de quitutes deliciosos da terra