30 de janeiro de 2012

O preço da vaidade

Sobre o escândalo das próteses mamárias adulteradas envolvendo duas marcas estrangeiras PIP ou Rófil, chega em boa hora a decisão da ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) de tornar mais dura a entrada dos produtos no mercado brasileiro. A agência reguladora vai exigir teste de qualidade, lote a lote, dos implantes de seio antes de liberar a venda. A ideia começou a ser colocada em consulta pública em meados de janeiro, com a publicação no Diário Oficial da União, e vai até 16 de fevereiro deste ano. Nesse período a população pode opinar sobre a proposta. É que para conseguir o registro de uma prótese mamária no Brasil, a fabricante só precisa apresentar um certificado de qualidade e de conformidade com as normas, não é cobrado teste das próteses. Pela nova regra, será obrigatório o exame do produto por laboratórios nacionais, indicados pela Anvisa e com aval do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), para conseguir autorização de venda.
De acordo com a agência reguladora, o Brasil será o primeiro país a cobrar o teste de próteses para seios, o que servirá para atestar as informações apresentadas pelo fabricante no momento do registro do produto. No prazo de um mês, a ANVISA irá apresentar também plano para monitorar as próteses vendidas hoje no país.
O Ministério da Saúde e as entidades nacionais de cirurgia plástica e mastologia definiram  o atendimento às brasileiras com implantes das marcas francesa PIP e holandesa Rofil, como exames para constatar ruptura da prótese e os hospitais públicos prestando o serviço.


Aproveitando esse caso das próteses, no que diz respeito a seu uso estético e não reparador (em caso de melhorias, após um cancêr de mama, por exemplo), penso que está na hora de nós mulheres fazermos uma profunda reflexão sobre a vaidade.  Até onde ela se faz necessária?
Claro que é  saudável ter vaidade e a defendo com garra, porque faço parte do grupo de mulheres que cuida da aparência, até mesmo quando está em casa, mas dentro da normalidade, sem a neurose da busca da perfeição ou eterna juventude.
Ora, ora, tem coisa mais horrível do que ficar parecendo uma boneca de cera e perder a expressão depois de várias plásticas?
Quanto ao uso do silicone, na minha opinião, a coisa tomou proporções exageradas, pois tem gente colocando seios artificiais como quem veste uma roupa, ou faz luzes no cabelo. Cabe aos médicos analisarem a real necessidade das pacientes e essas devem refletir nas conseqüências, afinal, são procedimentos cirúrgicos e existe possibilidade de riscos de vida. Não dá para alguém se expor a todo tipo de risco.
É impressionante a quantidade de mulheres que buscam esse procedimento em prol da dita beleza e perfeição e mais grave ainda são as meninas de 17 e 18 anos apoiadas por familiares.

29 de janeiro de 2012

Mais fotos da minha temporada em Torres

Com o Alexandre e Martina na cafeteria
Nem acredito que o calçadão está novo! 
Na minha caminhada tive a grata surpresa de conhecer...
João Vicente e Eliane de Pelotas.Eles saõ fiéis telespectadores do Pampa News
Juliana exibindo a barriga de três meses
Meu pai com o pessoal do restaurante Nápole
Jantando com meus pais e minha irmã Maria Inês
Meu pai cumprimentando o músico do restaurante Nápole

Minha dupla preferida: Martina na praia...

  e Marcela com sua mãe   
 Com a bisavó Carmem

A mais bela praia gaúcha

Torres é bela por natureza. Eu aproveitei com tamanha intensidade suas belezas nesses dias que me sinto nova em folha, pronta para voltar ao batente.
Hoje levantei muito cedo e fui caminhar na beira mar, levei a maquina fotográfica, pois queria registrar um pouquinho desse meu paraíso.
Confiram as fotos que tirei da Praia Grande e da Prainha, depois vou postar algumas da minha família.




27 de janeiro de 2012

Compartilhando um e-mail muito lindo

SERVIR = VOCAÇÃO


Cara Monica

Assisti o comentario sobre os arranha céus em Torres e o serviço de péssima qualidade , sei o quanto é importante para ti o atendimento visto que me conheceste assim , no estacionamento e o que nos aproximou foi justamente meu atendimento eficaz e comprometido com meu cliente. Teremos certamente problemas na área hoteleira e gastronomica para os eventos vultuosos que a cidade vai receber nos proximos anos face que não existe uma preparação adequada , e principalmente vocacional. Servir na minha concepção é Vocação muitos o fazem mas poucos o fazem com amor, assim como o Político serve com amor ou não os anseios da população , ainda assim temos que tentar uma Porto Alegre que ame servir ao próximo É UM DESAFIO ,adorei o comentario estava de folga até disse para minha mãe é a cara dela esse comentário.
 
bjus
 

Lise Ferreira

25 de janeiro de 2012

Nada como um dia após o outro

Segunda-feira, no meio da tarde, fui surpreendida por uma dor de cabeça daquelas de não conseguir abrir os olhos.Tomei um Tylenol, que teve efeito imediato e atribuo isso a eu não ter o hábito de fazer uso de remédios, pois me cuido muito e tenho uma saúde de ferro.
Sigo o que aconselha meu sábio pai: “ O primeiro requisito básico para atuar na política é ter uma saúde de ferro”.
Depois de algumas horas a dor voltou e eu tinha que sair para a Rede Pampa onde participo três vezes por semana do programa de tevê Pampa News. Nem me passou pela cabeça a hipótese de não ir. Só falto a um compromisso se estiver hospitalizada.
Terminado o programa onde fiz meu comentário - sabe lá Deus como consegui - tomei outro comprimido de Tylenol e dessa vez um de 750mg. Feito isso, entrei no carro rumo a minha casa e já no meu bairro, decidi parar no posto de gasolina que tem na rótula da avenida Nilo Peçanha.
Precisava colocar combustível, então, como ali conheço todos os frentistas, deixei o carro abastecendo e fui na loja de conveniência tomar um cafezinho, que achei que poderia me deixar melhor.
Na hora de pagar, uma senhora que estava na fila vira para mim e diz: ”A pouquinho assisti o programa da Magda e gostei do teu comentário sobre a falta de estrutura no litoral, dos preços abusivos nos restaurantes e dos espigões que estão construindo em Torres.Tens razão sobre a paisagem que ficou desfigurada”. Eu, de pronto, agradeci a senhora e silenciosamente ao meu Anjo da Guarda, que me iluminou nessa hora.
Saindo da loja em direção ao carro, ainda com a dor de cabeça brutal, olho para a frente e vejo um amigo meu e do Alexandre que nos é muito querido, médico, diretor de um hospital de Porto Alegre, de mãos na cintura me observando e respeitosamente saiu com essa: “ Te vi caminhando e pensei quem seria aquela bela e luminosa mulher”. Achei graça e quando disse meu muito obrigada, deixei escapar que o elogio, por ser naquele dia, tinha um peso dobrado.
Cheguei em casa, jantei, tomei banho e fui dormir.
Que alivio, acordei sem a dor de cabeça, apenas com a sensação da fortíssima enxaqueca que quase me derrubou.
No outro dia, eu tinha uma reunião de trabalho, onde apresentaria um projeto de comunicação. Estava preocupada, porque com a função toda eu não tinha conseguido rever o que havia produzido com tanto empenho. Não falei nada desse meu sentimento aqui em casa, porque sou adepta a filosofia de não pesar os outros com meus problemas, então guardo e tento administrar tudo sozinha, mas, enquanto eu me arrumava para esta reunião, o Alexandre chegou perto de mim e de forma afetuosa falou: " Fica tranquila que vai dar tudo certo. És inteligente e generosa, vais te sair muito bem na apresentação do projeto”. Olhei para ele agradecida por aquelas palavras, que tiveram um efeito vitamina e me acompanharam na apresentação do projeto, que foi um sucesso. Só sei que a senhora da fila, o médico nosso amigo e o meu marido, cada um com seu toque e comentário, me fizeram bem quando eu estava precisando e muito contribuíram para eu ver que dei conta da participação no programa, que eu estava com uma boa energia e que ia conseguir realizar minha tarefa, mesmo com aquela dor de cabeça, que, confesso a vocês, eu nem conhecia. Mas, sempre tem uma primeira vez, não é mesmo?

24 de janeiro de 2012

Uma causa de todos nós


A presidente do Instituto da Mama do Rio Grande do Sul, Dra. Maira Caleffi, foi convidada especial do programa de televisão Pampa News. Ela falou sobre a importância da prevenção do câncer de mama, que começa em casa, pelo toque no seio, e depois fazendo os exames regularmente. Sou conselheira do IMAMA desde o seu nascimento e amiga da Maira há muitos anos, portanto, conheço a competência e a dedicação dela por essa causa, quando dados apontam o Rio Grande do Sul como o estado do Brasil com maior índice da doença.
Abaixo uma foto nossa na saída da Rede Pampa.



Magda Beatriz, Maira Caleffi e eu


23 de janeiro de 2012

Mais fotos da Comunicação em Torres

Nesses últimos dias que estive em Torres, participei de dois programas de rádio da Rede Bandeirantes. No comando o jornalista político Gustavo Mota. A pauta foi sobre a "Reforma Ministerial" da presidente Dilma Rousseff. Fizeram parte do debate o prefeito de Torres, João Carlos (PMDB) e o Secretário Adjunto de Estado da Administração e Recursos Humanos , Leonardo Kauce (PT).
Quando cheguei no estúdio da Praia Grande encontrei o jornalista Diego Casagrande.O Diego é um amigo muito  querido de longa data e sempre é  produtivo conversar com ele.
Parabéns a Rede Bandeirantes pelo competente trabalho no litoral gaúcho.





22 de janeiro de 2012

Fotos do Programa Conexão Band, da Rádio Bandeirantes AM 640

O Grupo Bandeirantes de Comunicação iniciou mais uma grande cobertura de verão. Pelo sétimo ano consecutivo, a base dos veículos do grupo ficará instalada em Torres, com uma casa completamente montada e estruturada, na Praia Grande. As rádios BandNews FM 99,3 e Bandeirantes AM 640 fazem uma cobertura extensa, com aproximadamente 50 horas de transmissão direta de Torres. Alguns dos principais programas das grades das duas emissoras serão produzidos e apresentados no Litoral, com os apresentadores ao vivo nos estúdios da praia.  


                            Com Gustavo Mota e Marisa Formolo

 
Com Marisa, Gustavo, Alceu e Romildo
Gustavo e  esposa, eu e Marisa

20 de janeiro de 2012

Ao vivo da praia de Torres

Na estrada, rumo a Torres, quando eu fazia uma parada no Maquiné para comprar pão de milho, que gosto muito, meu celular tocou e era da rádio Bandeirantes, da produção do programa do repórter político Gustavo Mota, que é transmitido ao vivo todos os dias das 16h às 17h. 
O Gustavo é puro sucesso! O programa dele tem uma enorme audiência, além do que, é um colega que admiro demais. Eu, que tinha me prometido ficar em Torres sem trabalhar, quebrei a promessa e confirmei minha presença, já que nessa temporada de verão, a Band se transfere para Torres, transmitindo de lá vários de seus programas, incluindo o programa das sextas-feiras do Gustavo Mota.
Quando cheguei, foi uma festa. Encontrei queridos amigos da comunicação e da política. Foi sensacional o programa.Muitas pessoas ligando e enviando e-mails. Falamos sobre vários assuntos e, em especial, da seca que castiga o Rio Grande do Sul.
Participaram do debate a deputada estadual do PT, Marisa Formolo, deputado federal Alceu Moreira e o Prefeito de Osório e presidente do PDT, Romildo Bolzan.
Na saída fui surpreendida com manifestações afetuosas de duas senhoras que acompanham o meu trabalho. Conversamos e tiramos fotos para que elas guardassem de lembrança. Foi muito produtivo o programa e o encontro com elas.
Prometo em breve postar as fotos.
 

19 de janeiro de 2012

Essa eu não entendi

 
Em seu primeiro ano de governo, a presidente Dilma Rousseff cortou à metade da verba prevista  para o Programa Nacional de Segurança Pública com Cidadania ( PRONASCI) . Com R$ 1 bilhão a menos esses programas ficam no papel ou são reduzidos. A medida contraria a promessa de ampliar a colaboração com estados e municípios nessa área, feita por Dilma durante a campanha eleitoral de 2010. Com o corte, alguns programas nem começaram – como a construção de postos de polícia comunitária, que deveria ter recebido R$ 350 milhões mas ficou sem um centavo. A modernização de prisões, que deveria ter recebido R$ 20 milhões, também ficou no papel. E o Bolsa Formação, destinado a qualificar policiais, recebeu metade do prometido.
Só me resta concluir que segurança pública não é prioridade para o governo federal.

17 de janeiro de 2012

O mundo da criança

 
Adoro crianças e penso que me entendo super bem com elas. Talvez o fato de eu ser de uma família numerosa, onde sempre foi natural os irmãos mais velhos cuidarem dos menores, tenha contribuído muito para isso. Eu sou a filha do meio, portanto  o legitimo “sanduiche”, então, fui cuidada e também cuidei dos meus irmãos. 
Casei cedo e fui uma mãe jovem. Nos anos 70/80 a maioria das gurias quando se formavam nos cursos de cientifico, normal ou clássico, já estavam noivas, fazendo enxoval e de casamento marcado. Naquela época a realidade das mulheres era essa.
Tive três filhos os quais cuidei com tamanha vontade e dedicação que resultaram em seres humanos especiais e completos - tenho um imenso orgulho deles.
Contei com a ajuda de pessoas competentes que cuidavam das crianças enquanto eu trabalhava.
A minha rotina era casa e trabalho, sem vida social.Foi uma escolha que fiz para cuidar bem da família e conseguir trabalhar. Hoje vejo que acertei. Me dividia entre as crianças e a Pronta Entrega Moda Rio.
Fui empresária de moda feminina durante quinze anos e nessa área o que determina o sucesso das vendas é a compra, algo que eu sabia fazer como ninguém. Na moda existem períodos “chaves” que são os lançamentos das estações. Quando o verão acontece já é o  lançamento de inverno e vice versa.
Nas minhas viagens mais demoradas, sempre levava as crianças com uma babá junto  e quando não dava, ia num dia e voltava no outro. Por sorte, meu pai, que é carioca, tinha um apartamento no Rio de Janeiro o que facilitava bastante, pois eles sentiam-se em casa.
Foram muitas as vezes em que a Juliana, pequena, me acompanhou nos desfiles, nas escolhas de mercadoria e decisões de quantidade, e em que o Marcelo e  Felipe brincaram na sede da pronta entrega que ficava na rua Vasco da Gama, enquanto eu atendia os lojistas.
O que eu quero dizer com isso é que fui criada sem frescura e os meus filhos também. Verdade, dever, disciplina, confiança e muito amor foram os ingredientes básicos para uma boa relação com as minhas crianças. Agora estou fazendo o mesmo com a Martina e a Marcela.
Nesses dias que fiquei em Torres, percebi que a Martina com apenas dois anos e quatro meses declarava para a Marcela, de um ano e três meses, que a avó era só dela. Então, comecei a conversar com a Martina sobre o assunto e parece que está dando certo. Claro, tudo dentro da compreensão de uma criança, ou seja, através de historinhas. Como ela reinou durante um ano como "neta única", sinto que tenho que trabalhá-la aos poucos.
Falando em Martina, outra coisa interessante que aconteceu foi o caso do vestido da Branca de Neve. A Martina adora esse personagem do clássico infantil e eu trouxe para ela dos Estados Unidos, uma fantasia linda, que assim que viu vestiu e não tirou mais.Tive até que improvisar uma bainha de fita adesiva no próprio corpo dela.
Pois não é que a guriazinha abriu um esmalte vermelho e derramou no vestido?
O resultado foi um choro tão sentido que me comovi e prometi tirar a mancha. Ela acreditou e na mesma hora parou de chorar. Eu sabia que precisava encontrar uma solução, mas quem pinta as unhas sabe que acetona é a única coisa que tira esmalte, mas em compensação, faz um rombo no tecido.
Fui em busca de uma costureira que topasse fazer um “transplante” de tecido, tirar da barra e colocar no meio do vestido, fazer um acabamento com uma fita amarela da cor do cetim. A ideia eu tinha na cabeça, faltava o mais complicado, que era chegar nessa “salvadora da fantasia”.
Algumas ligações e descobri uma casa de consertos de roupas disposta a assumir o risco. Achei melhor levar a Martina junto na empreitada, pois assim ela entenderia caso não desse certo. A pequena carregava o vestido da Branca de Neve como se fosse o seu maior tesouro.Três gentis senhoras analisaram a roupa de cima para baixo, trocaram opiniões, mediram e desenharam a reforma que fariam. A Martina acompanhou tudo com muita atenção. Na despedida pude notar pelo olhar de cada uma das costureiras que tinham abraçado a missão e conseguiram passar isso para a Martina, que saiu confiante.
Dois dias depois buscamos o vestido, que ficou perfeito e a pequena Branca de Neve voltou a reinar pelo jardim da minha casa, que para ela é uma floresta.  
  

16 de janeiro de 2012

Maridos em casa facilitam a ascensão das executivas


Sete das dezoito principais executivas das 500 maiores empresas do mundo, segundo a revista "Fortune" - como Ursula Burns, da Xerox, Indra Nooyi, da PepsiCo, e Angela Braly, da WellPoint -, têm ou tiveram, em algum momento, um marido que ficava em casa. O mesmo acontece com inúmeras mulheres que ocupam altos cargos em empresas menores.
Isso se dá em um momento em que as mulheres ultrapassam os homens no mercado de trabalho. Dados recentes mostram que, nos Estados Unidos, elas ocupam mais da metade dos cargos de direção e 23% das esposas já estão ganhando mais que seus maridos. Essa tendência salarial é mais acentuada entre os jovens. Além disso, o número de homens americanos que cuidam regularmente dos filhos com menos de cinco anos de idade também aumentou para 32% em 2010, em relação aos 19
% de 1988.


Fonte: Jornal Valor  Econômico

14 de janeiro de 2012

Minha dupla querida

Na semana passada estive em Torres e o meu tempo lá foi todo da Martina e da Marcela. Passeamos e brincamos muito, também pegamos uma boa praia. Conviver com as meninas é maravilhoso e me faz um bem enorme. Elas estão cada vez mais amigas.
Vejam as fotos como exteriorizam o que falo.


Com a Martina e a Marcela na sacada do meu apartamento em Torres
A minha dupla querida adora uma folia
Olha aí as duas prontas para a praia 

12 de janeiro de 2012

Retrocesso na cultura do Rio Grande do Sul


A  grave crise que acometeu, nos anos que me antecederam, o mais importante mecanismo de fomento cultural no Estado, a LIC - Lei de Incentivo à Cultura, fez com que, no ano de 2008, minha equipe e eu nos dedicássemos à elaboração de projeto de lei que, em dezembro de 2008, a ex- Governadora Yeda Crusius encaminhou à Assembléia Legislativa: o Projeto de Lei instituindo o Pró Cultura RS, com inovação: os patrocínios à cultura não deduzidos do ICMS passariam a ser doados ao FAC - Fundo de Apoio a Cultura, mecanismo de fomento direto criado em 2002 e nunca implementado.  
A Lei 13.490/2010, aprovada por unanimidade,  representou uma oxigenação  ao setor. Esta, além de manter as conquistas anteriores, como o investimento proporcional ao porte da empresa (Lei Bernardo de Souza), introduziu o mecanismo já referido de alocar no FAC os recursos não dedutíveis do ICMS , agora fixados em 5% (cinco por cento) para o Patrimônio Cultural e 10% (dez por cento) para os projetos em geral.
O projeto por nós semeado proporcionou ao governo seguinte, em menos de um ano, de abril a dezembro de 2011, colher os frutos e ver o Pró Cultura vitorioso e com credibilidade encerrando o exercício com R$ 21 milhões captados, garantindo ao FAC valores que possibilitaram o lançamento de novos Editais.
Surpreendentemente leio a notícia de que antes do recesso parlamentar, é votado pela Assembléia Legislativa do Projeto de Lei 410/2011, de iniciativa do Executivo, protocolado em regime de urgência em 17 de novembro passado.
No projeto, com objetivos de aquinhoar o Esporte e a Assistência Social com os mesmos mecanismos que a Cultura conquistou , foi retirado um dos principais avanços da Lei 13.490/2010, a dedução integral dos patrocínios dos projetos do ICMS devido mediante a doação comprovada de 10% (dez por cento) do valor patrocinado ao FAC (Artigo 6o, Parágrafo 2o, Inciso II).
A  nova Lei significa um retrocesso para a cultura gaúcha, com repercussão na captação de recursos da LIC - Lei de Incentivo à Cultura as quais diminuirão as doações ao FAC.

10 de janeiro de 2012

Deu no Políbio



Governo gaúcho muda LIC e diminui contribuição de empresas para a cultura

. O PT foi o maior algoz da Secretaria da Cultura no governo Yeda, reclamando insistentemente da falta de verbas para a pasta, inclusive dos “baixos” percentuais da Lei de Incentivo a Cultura.
A secretária Mônica Leal não teve um dia de sossego durante os quatro anos da gestão tucana.

. Pois agora, não é que o PT, surpreendentemente, resolveu mexer na LIC e reduzir de 95% pra 75% o percentual de desconto de ICMS que as empresas poderão abater quando forem financiar empreendimentos culturais!

. A classe artística gaúcha está indignada: os produtores culturais, que já tinham dificuldade em convencer os empresários em arcar com a lei anterior, estimam que a área sofrerá um baque enorme, com o aumento do ônus dos empresários. Acham que não haverá mais nenhum bom samaritano, com a economia do jeito que está.

9 de janeiro de 2012

Convocação


 

Prezada Progressista


Venho por meio deste, convocar a nobre progressista para participar da reunião da Executiva do PP/RS no próximo dia 11 de janeiro de 2012, às 16h, na sede do Diretório Estadual, em Porto Alegre.

Certo de contar com sua presença!

Celso Bernardi
Presidente Estadual do PP/RS




8 de janeiro de 2012

Paris- Por Danuza Leão

Quem tem o paladar mais apurado percebe que alguma coisa está errada, mas não sabe o quê
Coisas muito estranhas estão acontecendo em Paris, no terreno da gastronomia.
Os restaurantes que frequento não são os mais chiques, mais estrelados, mais caros; são bistrôs simples, normais, onde sempre comi muito bem -até porque em qualquer café em Paris uma omelete costuma ser deliciosa, e uma entrecôte, perfeita, já que a gastronomia é parte importante da cultura do país.
Não procuro comidas complicadas e modernas: prefiro  as mais tradicionais, não sou uma expert, mas sei perfeitamente se o que estou comendo está bom ou não.
Cheguei e fui logo procurar um dos restaurantes de que mais gosto, já pensando em pedir aquele prato de que mais gosto.
Primeira decepção: o menu havia mudado, os pratos eram outros -na mudança de estação eles trocam, mas não era o caso. Ok, isso acontece, mas o que comi não estava bom; o cozinheiro mudou, pensei, acontece.
No dia seguinte, fui a um café que costumo frequentar, um café simples, para comer uma coisa simples, tipo ovos mexidos com presunto. Nem consultei o menu, fui logo pedindo, e tive uma surpresa: eles não tinham ovos de nenhum jeito, e me foi apresentado um menu -novo. Para não complicar, pedi um steak tartare, e me serviram um montinho de carne moída, com uma espécie de bolo de batata saído do microondas; em separado, sal, pimenta do reino e um vidro de mostarda, apenas. Não deu. Coisas parecidas aconteceram em mais três ou quatro lugares, e achei tudo tão estranho, que fui pesquisar.
Pergunta daqui, pergunta dali, soube do que está acontecendo em parte dos restaurantes de Paris. Muitos deles aderiram à comida prêt-à-manger (pronta para comer).
A coisa começa lá atrás: como os encargos sociais na França são muito altos, é normal, num restaurante tipo simples, um único garçom se encarregar do serviço de 30 pessoas: ele anota cada pedido (dois pratos por pessoa), se a carne é bem ou mal passada, o tipo de vinho etc.
Mas um chef -o cozinheiro- custa caro, e ainda tem os ajudantes etc. Resultado: existem atualmente, em torno de Paris, indústrias que se ocupam em facilitar a vida dos donos dos restaurantes.
É assim: o dono da indústria e o restaurateur, juntos, elaboram o menu, eliminando tudo o que precise ser feito na hora.
As porções são  confeccionadas, colocadas em embalagens a vácuo, e às 5h da manhã o caminhão faz a entrega, que vai diretamente para o freezer. O dono do restaurante economiza no salário do chef, elimina as perdas, pois os pratos podem permanecer congelados por vários dias, e fica todo mundo feliz; quase todo mundo, aliás.
Os clientes que têm o paladar mais apurado percebem que alguma coisa está errada, mas não sabem bem o quê, e as coisas ficam por isso mesmo.
Isso acontece sobretudo nos pontos mais turísticos, como em St. Germain, meu bairro do coração. Mas um amigo me contou que foi ao l'Ami Louis, pediu um foie gras e achou que fosse sorvete.
O problema é grave, já que a gastronomia, na França, é coisa séria. Mesmo com a chegada da nouvelle cuisine, dos novos chefs, dos laboratórios na Espanha, a cozinha francesa tradicional sempre permaneceu no alto do pedestal, como uma das joias da coroa.
Ok, o  mundo mudou, vamos admitir: e em muitas coisas, para pior. Vou passar o resto das minhas férias em Paris buscando restaurantes onde se come bem, de acordo com as velhas tradições; e se você está planejando sua viagem, fique atento. Evite restaurantes com longos cardápios, pois é aí que mora o perigo.
E se o prato que você pediu estiver com cara e gosto de comida de avião, marque no seu caderninho para não voltar lá nunca mais.

6 de janeiro de 2012

Artigo publicado no jornal Zero Hora - Pres. PP/RS Celso Bernardi


  
                  Governar é cumprir a palavra

“Honestidade Política é fidelidade e coerência com os propósitos assumidos. É em linguagem clara, cumprir o prometido”. (Pontes de Miranda)
Na democracia a mesma urna que elege o governo elege a oposição. Ao governo cabe cumprir o prometido. À oposição cobrar as promessas e fiscalizar os atos governamentais. Um governo não depende apenas da sua qualidade, mas também da qualidade da oposição.
Assim, o Partido Progressista do RS, fiel ao dever oposicionista, realizou uma avaliação do primeiro ano do governo Tarso. E verificou que as medidas adotadas no primeiro ano foram corriqueiras, paliativas e não atacaram os verdadeiros problemas do Estado. O que se pode notar é um enorme aparelhamento do governo, com mais CCs, Secretarias, enfim, mais custo com a administração e menos com o cidadão.
Dentre as declarações generosas e promessas sedutoras, que deram a Tarso a vitória no 1º turno, está o discurso dos reflexos positivos do “alinhamento das estrelas” com o Governo Federal e com o Cpers – Sindicato. O que se observa entretanto até agora é uma eclipse, pois infelizmente as transferências da União para o Estado foram inferiores ao previsto. Por outro lado, o não cumprimento das condições para pagamento do piso nacional aos professores gaúchos, além de comprovar o desalinhamento, deverá gerar um passivo comprometedor para as finanças públicas.
Além dessas questões preocupa-nos sobremodo, por sua gravidade e pouco enfrentamento, o risco do retorno do déficit público. O primeiro requisito do Estado eficiente é o equilíbrio das contas públicas, pois o Estado não pode gastar mais do que é gerado pela sociedade que o sustenta. Esta verdade, ao que parece, é ignorada pelo governo atual. O problema mais sério do Estado é o montante e o serviço da dívida pública, que está comprometendo mais de 14% da Receita Corrente Líquida. Pois o governo, ao invés de liderar esforços e buscar através das luzes do “alinhamento”  soluções para diminuir estes exagerados e injustos gravames, prefere festejar a ampliação do espaço fiscal pelo governo Federal, em mais 1,5 bilhões. Contrair mais dívidas, mesmo que para investimentos, sem resolver a atual sangria da nossa receita, é um risco que precisa ser muito bem avaliado, pois a dívida de hoje é o imposto de amanhã.
Neste sentido, o PP-RS sugere, urgentemente, um mutirão das forças políticas e econômicas gaúchas para pressionar a União a ajustar os encargos à realidade atual, que é bem diferente daquela em que foi federalizada a dívida gaúcha (1998). Propomos, ainda, uma auditoria que promova um encontro de contas entre Estado e União a fim de resolver débitos históricos da União com o IPE, estradas estadualizadas, CEEE, etc.
Por fim, o PP gaúcho deseja ser parceiro na busca de uma solução dialogada e duradoura, para o desequilíbrio da previdência estadual. Não será com medida superficial, como o aumento de alíquota que o problema será resolvido.
Ao apontar equívocos e oferecer sugestões o PP prefere não seguir o conselho de Napoleão: “Nunca atrapalhe o adversário quando ele estiver cometendo um erro”. O que nos preocupa é o futuro do Rio Grande.

                                                        Celso Bernardi
                                                       
   05/01/2012                                                   

5 de janeiro de 2012

Colocando assuntos e afazeres em dia

Eu sei, eu sei, estou devendo agradecimentos de mensagens, torpedos, ligações e cartões de natal e ano novo que recebi. Foram muitas as manifestações e me deliciei com cada uma delas. Gostaria de comentar sobre todas, mas como isso é impossível, guardei-as no meu arquivo pessoal com muito carinho.
Sobre os e-mails me cobrando fotografias minhas dos últimos acontecimentos, da viagem e da família, vocês estão certíssimos, pois, afinal, eu os acostumei com postagens ilustradas, o que acho que cai sempre bem junto com os textos. Prometo que o blog vai continuar com o mesmo perfil.
Ah, quase esqueço de responder a duas queridas leitoras que pediram textos reflexivos, tipo aquele dos Presentes pensados com o coração". Assim que estiver inspirada volto a escrevê-los.
A verdade é que ando um tanto quanto atrapalhada desde que cheguei de férias. É que não é fácil colocar as coisas em ordem depois de um longo tempo fora. Não sei se priorizo os assuntos pendentes ou os novos. Há pouco mesmo confirmei minha presença no Congresso de Comunicação que vai ocorrer no Rio de Janeiro no final do mês e olha que fiz isso em cima do laço,algo que não é do meu feitio.
Pensei que esse início de ano seria mais tranqüilo, porém, me enganei redondamente.  Só para vocês terem uma ideia ainda não fui a Torres! Estão todos lá: meus pais, meu filho Marcelo e suas duas mulheres: Fernanda e a pequena Marcela, que é o nosso sol. A Juliana e a Martina como estavam em Porto Alegre, eu já matei a saudade. O Felipe, que está de férias na faculdade e no trabalho, passou o ano novo no Rio de Janeiro, chegou ontem e consegui paparicá-lo bastante. A Duda, sua namorada, foi junto, e nós duas já colocamos o papo em dia. Tão bom isso de jogar conversa fora.
Agora um fato engraçadíssimo que me aconteceu ontem. Estava na loja da Vivo na  avenida 24 de Outubro colocando um chip no meu tablet, quando fui no caixa pagar a diferença que era R$12,00 - é que eu tinha um Ipad e o chip era menor, então, tive que trocar por um maior-  o funcionário que estava de cabeça baixa digitando, perguntou o meu nome e quando respondi ele saiu com essa: “Não acredito que a senhora está na minha frente"! Eu, surpresa,  perguntei por que? E ele: “Conheço a senhora, todo mundo conhece...” Eu, claro, fiquei honrada, mas quando vi que as pessoas por perto grudaram os olhos em mim, confesso que fiquei sem jeito. Aí um senhor que estava comprando celular me cumprimentou pela minha atuação política, outra senhora quis saber dos meus planos para esse ano e uma moça que aguardava na fila falou que ela e seus pais eram meus eleitores. Muito legal também que a funcionária que me atendeu foi um amor ao configurar meu tablet. Até meu blog ela acompanha!
Que gente querida! Eles fizeram eu me sentir uma estrela, foi divertido, animador eu diria, e dei boas risadas disso.

1 de janeiro de 2012

Feliz 2012!


Olá, pessoal querido que me acompanha pelo blog!
Cheguei ontem à noite em Porto Alegre. Demorei, eu sei, foi um recesso e tanto, mas completamente necessário para descansar a cabeça e o corpo.
Valeu a viagem! Obrigada por vocês terem me esperado, confesso que estava louca de saudade, aliás, foi ela que me fez voltar. Depois eu conto das minhas férias.
Agora eu quero falar do ano que se inicia. Hora de agradecer a Deus por tudo de bom que me oportunizou viver, de pedir perdão pelos meus erros e que ele me conceda sabedoria para compreender o que me é difícil, por conta dos meus valores pessoais.
Fazendo uma breve retrospectiva, o meu ano de 2011 foi de muitas conquistas. Atuei na comunicação e posso me orgulhar de ter levado informações e análises sobre acontecimentos importantes da nossa cidade, do nosso estado e do nosso país para milhares de gaúchos no rádio e na tevê. Ao longo desse período, enfrentei duras batalhas, a começar pela familiar: marido, filhos e pais achavam arriscado e cansativo demais eu participar do programa Pampa Bom Dia, que iniciava as 6h da manhã, ou seja, eu tinha que sair de casa às 5h e 20min e acordar muito antes disso. Por eles, eu teria aproveitado para curtir a vida e não me comprometido. O incrível é que mesmo eles sendo contra, aceitaram a minha escolha e tiveram uma paciência danada com as minhas ausências nos feriados em que foram para a praia e para a serra. Acho que esse tipo de atitude cuidadosa e respeitosa tem muito a ver com o conhecimento que as pessoas tem umas das outras. Sim, eu penso que o interesse pelo outro gera esse conhecimento, essa percepção. Então, sabendo o que é importante para ti, eu vou apoiar.
Sempre relutei diante da idéia de ser vista como filha do fulano ou a mulher do sicrano. Não que isso não seja motivo de orgulho; pelo contrário, mas, sinceramente, não seria o suficiente para mim. Sentia-me desconfortável ocupando somente esse posto e, à medida que o tempo foi passando, tive a certeza de que precisava ter um espaço próprio, só meu e feito por mim. Desde muito guria trabalhei para ser eu mesma e conquistar a minha liberdade profissional e, depois, quando casei - aos 17 anos - deixei pré-estabelecida a necessidade de mantê-la, para a minha felicidade, e porque não dizer, para a felicidade de todos.
Por mais que marido, filhos, casamento e família fossem muito importantes na minha vida, sabia que seria impossível ser uma coadjuvante em tempo integral, ter apenas uma posição representativa e ações derivadas e dependentes do marido.
A rotina de uma mulher é feita de pequenos e grandes momentos, de coisas boas e ruins, de encontros e desencontros, de crises, dúvidas, traições, desenganos, ilusões, frustrações e alegrias... Precisava viver tudo isso de uma forma direta e intensa.
Amigos, colegas, funcionários, vizinhos, conhecidos fazem parte da minha existência e da forma como eu me relaciono com o mundo. Essa troca de experiências, esse compartilhar de emoções, só se consegue andando na rua, pegando condução, esperando em filas, pagando contas, indo no supermercado depois de um longo e exaustivo dia de trabalho.
Falar com as pessoas, sorrir para elas, dividir um problema, ouvir a sua dor é o que faz de mim uma pessoa por completo. Na verdade, essas são pequenas coisas do cotidiano que me trazem a felicidade.
Nesse meu caminho pessoal e profissional feito com devoção e na busca de fazer mais e melhor, eu conheci e convivi com muitas pessoas e todas me acrescentaram algo, algumas me ensinaram muito e ficarão guardadas de maneira especial para sempre no meu coração.
É nesse clima de agradecimento que inicio meu ano e desejo aos meus amigos e leitores um 2012 com saúde e toda a felicidade do mundo!
Um beijo
Mônica